sábado, 28 de novembro de 2020

Mangá vs Filmes: Seven Days

Poster Seven Days

Seven Days (Senbu Deizu) é um mangá shounen-ai (romance entre rapazes sem cenas explícitas) de muito sucesso e que resultou de uma parceira bem sucedida entre Venio Tachibana (argumento) e Rihito Takara (ilustração). O mangá foi publicado na revista Craft entre os anos de 2007 e 2009. A história foi divida em dois volumes: Seven Days: Monday-Thursday e Seven Days: Friday-Saturday.

Em 2015 foi lançado um filme live-action para cada uma das partes (volumes) do mangá. Este post versa o Duelo entre o mangá e os filmes live-action a que este deu origem. Em que ponto estas duas obras podem ser equiparadas? Trata-se de em Duelo renhido ou, pelo contrário, de uma luta desigual? A escolha do vencedor será fácil?


O Mangá:

Mangá Seven Days
Dados técnicos:
Título original: Sebun Deizu
Autor: Venio Tachibana
Ilustrador: Rihito Takara
País: Japão
Ano: 2007-2009
Revista: Craft
Género: Shounen-ai

Sinopse:

Yuzuru Shino é um aluno aborrecido e desiludido porque, apesar de ser bonito e conseguir uma namorada facilmente, acaba sempre por ser abandonado, isto porque a sua personalidade acaba por não corresponder àquilo que idealizam acerca dele. Ao ouvir um rumor sobre Touji Seryou, um aluno mais novo e bastante popular na escola, de que este aceita qualquer pessoa que o convide para sair no início da semana e que, no final da semana a relação acaba, Yuzuru decide fazer o convite a Seryou meio na brincadeira, mas para sua surpresa Seryou aceita. Durante sete dias, os sentimentos de Yuzuru por Seryou crescem e ele começa a temer o dia inevitável em que irão terminar a sua relação.


Análise e pequeno resumo:

A primeira coisa que tenho a dizer é: Que mangá mais romântico e fofo! Desde que comecei a ler mangás shounen-ai/yaoi que tenho descoberto autênticas pérolas dentro deste género tão específico e muitas vezes discriminado. A arte de Rihito Takara é muito diferente do que estou habituada, mas é bonita e suave, para além disso combina na perfeição com a história criada por Venio Tachibana.

Seven Days é um mangá shounen-ai que segue nesta minha nova onda, é um daqueles mangás recheados de cenas fofas e românticas e que apresenta o desenvolvimento de uma relação amorosa entre dois adolescentes do mesmo sexo de modo natural.

A história deste mangá evolui calmamente ao longo dos seus vários capítulos, a sua magia deve-se a meu ver ao equilíbrio que os seus autores conseguiram ao desenvolver ao mesmo tempo os pontos de vista de ambos os protagonistas, assim conseguimos sentir perfeitamente a angustia de Shino, por saber que a relação entre ele e Seryou tem os dias contados, uma semana para ser mais exata, e de Seryou por sentir que não é levado a sério por Shino, pois em nenhum momento Shino pondera que Seryou está realmente a procurar uma relação séria e não apenas uma relação passageira de apenas uma semana.

Protagonistas mangá Seven Days
Yuzuru Shino e Touji Seryou (da esquerda para a direita)

A dinâmica entre os dois protagonistas de Seven Days é muito bem desenvolvida, no sentido em que tanto um como o outro buscam o mesmo objetivo: encontrar o amor, mesmo que não o façam de maneira convencional e que estejam os dois um pouco cansados de procurar por aquilo que julgam uma relação ideal. Tanto Shino como Seryou têm problemas a resolver. Shino é constantemente abandonado pela sua personalidade ser "diferente" do seu aspeto (lá o que isso signifique) e Seryou tem uma situação bem pesada do seu passado e que não é lá muito bem explicada, ao que parece ele tem sentimentos pela namorada do irmão e fica implícito que algures no passado eles chegaram a envolver-se fisicamente. Seryou tenta desesperadamente apaixonar-se de novo para esquecer de vez a namorada do irmão, daí aceitar sair com qualquer pessoa que lhe peça tentando forçar os seus próprios sentimentos, mas infelizmente ainda não descobriu aquela pessoa especial. A relação entre Shino e Seryou começa de modo diferente, mas na verdade acaba por se desenvolver como qualquer outra relação.

Um dos pontos mais positivos do mangá é que, sem qualquer cena rebuscada e mirabolante, consegue facilmente cativar o leitor pela sua sensibilidade e leveza. Tanto Shino como Seryou são personagens complexas no meio da sua normalidade, estes dois estudantes podiam estar ao virar da esquina e ninguém os iria considerar estranhos, pelo contrário, qualquer um deles apresenta uma personalidade incrivelmente verosímil e credível, no meio das suas inquestionáveis particularidades, que acabam por os tornar incrivelmente carismáticos.

Mangá Seven Days
"Sete dias foram o tempo suficiente para me apaixonar."


Em suma, estamos perante um dos melhores exemplos dentro do género yaoi/shounen-ai, um mangá encantador, que mesmo não sendo longo ou rebuscado consegue cativar o público, principalmente, à conta dos seus carismáticos protagonistas. A verdade é que foi o inesperado sucesso deste mangá que originou as suas merecidas adaptações live-action com atores de carne e osso, já que no meio de tantos outros mangás do mesmo género, Seven Days foi dos poucos que conseguiu tão grande proeza.


Os Filmes:

capas filmes Seven Days
Dados técnicos:
Título original: Senbu Deizu
Autor: Venio Tachibana (roteiro) e Rihito Takara (mangá)
Diretor: Natsuko Takahashi
País: Japão
Ano: 2015
Género: Shounen-ai
Elenco: Tomoki Hirose (Seryou Touji), James Takashi Yamada (Shino Yuzuru), Hinako Tanaka, Yuki Hiyori, Yukihiro Takiguchi


Sinopse: Baseado no mangá de mesmo nome;  Seven Days conta a história do aluno do terceiro ano, Shino Yuzura, que vai em direção a Seryou Touji numa manhã de segunda-feira. Seryou é um estudante do primeiro ano, intregrante do clube de arco e flecha, tal como Shino, incrivelmente popular entre as garotas. Tem o hábito de sair com qualquer um que se confesse a ele durante uma semana. "Qualquer um" aparentemente inclui homens como Shino, que é seu senpai. Como namorado, Seryou é perfeito - Leal, atencioso e gentil. Mas Shino, obviamente, não tinha nenhuma intenção de ter um relacionamento sério com Seryou. Não é como se fosse amor ou coisa assim... certo?


Comparações e pequeno resumo:

Primeiro li o mangá e depois soube da existências dos filmes... Assim tive que assistir logo a caminho e confesso que fui surpreendida pela positiva. Não esperava grande coisa com estas adaptações live-action, primeiro porque pela a minha experiência anterior o original é sempre melhor, depois como nunca tinha assistido a um filme live-action do género, pensei que seria muito estranho ver dois atores japoneses de carne e osso a representar uma relação gay, mas a verdade é que adorei, principalmente, o modo subtil como todo o mangá foi adaptado, sem qualquer exceção.




Como é óbvio a história dos filmes é a mesma do mangá. Dois colegas de escola iniciam uma relação, que parecia ser apenas por brincadeira, mas que aos poucos toma contornos cada vez mais sérios. Seven Days marca pela diferença, pois no meio de tantos mangás do género, em que um dos protagonistas praticamente força os seus sentimentos para cima do seu interesse amoroso, em Seven Days é tudo muito natural e bem desenvolvido. OK, não estamos perante uma pérola da criação cinematográfica, mas tanto o mangá como os filmes são obras bem divertidas de assistir.

Seven Days: mangá vs filmes
Mangá vs Filmes

Um dos pontos mais fortes dos filmes foi a escolha dos atores para dar vida a ambos os protagonistas, já que é sobre eles que recai praticamente toda a ação. Tanto um como o outro conseguiram captar a essência das suas personagens e até acho que fisicamente, tanto um como o outro, foram bem escolhidos, ou talvez seja apenas a minha opinião.

Foi muito emgraçado perceber até que ponto as cenas do mangá foram adaptadas para os filmes, isto com uma fidelidade que me cativou logo.


O vencedor:



Seven Days: mangá vs filmes

Desta vez escolher um vencedor não foi tarefa fácil, pois os filmes adaptaram de modo bastante fiel todo o mangá, ao contrário do que costuma acontecer acontecer numa verão live-action, em que geralmente são deixadas de lado cenas muito importantes para o melhor desenrolar da trama, mas neste caso esteve tudo lá, tirando a cena extra do telefonema na banheira que, apesar de engraçada, era desnecessária para a história.

Assim sendo não sou capaz de apontar um vencedor específico neste Duelo, vou antes declarar um empate técnico! Tanto o mangá como os filmes live-action são obras de qualidade que vale a pena assisitir, mas claro que para quem gosta deste género muito específico e que só recentemente me cativou, ou talvez para os curiosos esta seja uma boa obra para começar a ler shounen-ai/yaoi.

Previous Post
Next Post

4 comentários:

  1. Oi, Sonia. Como vai? Parece-me bem fiel mesmo não é, embora eu não tenha assistido e nem lido. Sua comparação ficou muito boa, apesar de que não houve um vencedor para você neste duelo. Seu resumo ficou excelente, gostei. Beijo!

    https://lucianootacianopensamentosolto.blogspot.com/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi Luciano :)
      Obrigada! Eu gostei bastante e até nem fiquei triste com a falta de vencedor neste duelo.
      Beijo

      Eliminar
  2. Bem.. não sou de acompanhar muito nem anime e muito menos mangá (pois disléxica), mas fiquei interessada, mesmo com a falta de vencedor do duelo kkkk
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi :)
      É interessante, mesmo não lendo o mangá. Os filmes são tão fofos que valem a pena!
      Beijos

      Eliminar

O seu comentário é muito importante para mim. Sinta-se livre de expressar as suas opiniões, ideias ou simplesmente desabafos. Prometo responder sempre que possível.
Muito obrigada pela sua visita!